Matéria que saiu no Gshow sobre o BazarFSF que acontece em Campinas (SP)

ONG Fraternidade Sem Fronteiras ajuda crianças e adolescentes na África

A repórter Edlaine Garcia conheceu um dos braços da organização em Campinas (SP), que conta com a ajuda de 500 voluntários dentro e fora do Brasil


(Foto: reprodução EPTV)


Páscoa também é uma data importante para reflexão. Com esse intuito, a repórter Edlaine Garcia traz uma matéria sobre a ONG Fraternidade Sem Fronteiras,um grupo de voluntários que se organiza o ano inteiro para fazer o bem e ajudar o próximo até em outro continente – a África.

Do outro lado do oceano atlântico, parte de um continente recebe o olhar, a atenção e a ajuda de pessoas daqui do Brasil. Eles fazem o bem, se organizam para ajudar o próximo.

A ONG teve início em Campo Grande (MS), em meados de 2009. Do Centro-Oeste do país, a organização espalhou-se para outros estados. Em 8 anos, a ONG soma 500 voluntários, dentro e fora do Brasil. Um dos braços, fica localizada em Campinas (SP) e, tem como objetivo , levar uma vida mais digna à uma extensa faixa-etária de recém nascidos a adolescentes em Moçambique, no sul da África. Hoje no país existe mais de um milhão de crianças órfãs e mais da metade em situação de contaminação do vírus HIV.

“O projeto começou acolhendo 30 crianças, depois de três meses 70 crianças, e agora, passados os 7 anos, nós estamos com 8.000 crianças”, conta o coordenador estadual da ONG Ranieri Dias.

Com a finalidade de ajudar com as arrecadações financeiras, a ONG possui um bazar, que é um dos caminhos para ajudar a juntar dinheiro. "Tudo que as pessoas acham que não tem mais utilidade, para a gente tem, e ajuda muito quem está do outro lado do atlântico”, comenta o coordenador.

O bazar está em atividade há um ano, e, segundo Ranieri,a partir do dinheiro arrecadado com as peças, o projeto consegue manter de 400 a 500 crianças mensalmente.

________

 

PADRINHOS

 

Os voluntários também podem ajudar tornando-se padrinhos de crianças e adolescentes. O voluntário e padrinho Wagner Pedon conta para nossa repórter o sentimento de apadrinhar uma criança. Pelo site da ONG, os voluntários recebem o passo a passo para esta ação. Wagner apadrinhou o Bernardo Soiano, que neste ano faz 4 anos.

O apadrinhamento é feito por um ano, inicialmente. Os padrinhos contribuem o valor de R$ 50 mensais. “Você garante que essa criança não vai mais passar fome”, conta Wagner.

“Existem outras maneiras pontuais de doações: espontâneas, as caravanas que são serviços voluntariados com diversos tipos de ações, que não tem limite de idade e não têm restrições a nenhuma profissão”, explica o coordenador estadual. Entre essas profissões e profissionais, que participam as caravanas, está o ator Reynaldo Gianecchini e o DJ Alok.

Muita gente de Campinas (SP) passou por essa experiência, quem vai banca as próprias despesas e volta com o coração tocado pela vivência. A voluntária Leida Oliveira, por exemplo, ficou 10 dias na África. Prestes há completar 70 anos, Leida dedicou quase que a vida toda ao voluntariado, são 60 anos ajudando o próximo.

“São valores que foram passados pelos meus pais e, esses valores eu passei para meus filhos e eles continuam nessa caminhada”, explica Leida Oliveira.

(Foto: reprodução EPTV)

O filho do coordenador estadual da ONG, Arthur Dias foi para o continente Africano em julho de 2015, na época com 17 anos, e passou seus conhecimentos de técnico em alimentos para os jovens de lá trabalharem em uma padaria. “As máquinas foram doadas por um voluntário, e ai eu fui dar um treinamento com a experiência que eu tenho”, explica Arthur.

A padaria funciona há dois anos e emprega os jovens da própria região. "É um destino a mais para eles terem uma vida um pouco melhor do que eles tinham antes do projeto”, diz Arthur.

Assista ao vídeo e veja a matéria completa: clicando aqui

Fonte: GSHOW

 

Português, Brasil

Comentar

CAPTCHA
Esta pergunta é pra confirmar que você é um ser humano e não um robó enviando spam automático.