NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

Exemplo como caminho: a história de Arthur Dias

Por: Suelen Targon – jornalista voluntária

Um jovem que possui grandes valores, lindas experiências para compartilhar sobre trabalhos voluntários, que usa sua família como exemplo, já tem muito a nos ensinar. É assim que começamos a contar a história do coordenador do projeto Brasil, um coração que acolhe e estudante de Engenharia de Alimento, Arthur Ferreira Dias, de 23 anos, com a Fraternidade sem Fronteiras (FSF).

Filho de Ranieri Dias e Silvia Dias, que são voluntários engajados com a FSF há anos, tem referência de amor ao próximo desde os seus dois anos de idade, época que seus pais começaram a acolher um novo irmão e, hoje, já são oito irmãos acolhidos/adotados pela família. São tantas vivências e exemplos, que dão forças ao Arthur para seguir os mesmos passos e viver o dia a dia com mais empatia.

Arthur tem em seu coração todos os projetos da Fraternidade, mas foi no projeto Brasil, um coração que acolhe, que ele decidiu se dedicar com mais carinho e ceder seu tempo na coordenação – mobilizando apoiadores, voluntários e os padrinhos da causa para ajudar os nossos irmãos venezuelanos, que estão enfrentando uma crise humanitária grave.

Veja o que o Arthur nos contou sobre sua trajetória com a Fraternidade sem Fronteiras e o projeto Brasil, um Coração que acolhe:

FSF- Quando você começou a sua história com o projeto Brasil, um coração que acolhe?

Arthur – Foi bem no início do projeto. Tudo começou durante a  1ª caravana do Brasil, um coração que acolhe, em março de 2018, eu fui com o meu pai e com o Wagner – presidente da Organização – e foi ali que começou minha vivência com os nossos irmãos venezuelanos. Já em junho do mesmo ano, o projeto estava precisando de um voluntário para trabalhar no processo de interiorização, que estava começando a ser estruturado, eu me voluntariei para fazer parte do time e, desde então, eu tenho um relacionamento e responsabilidades diárias com o projeto.

FSF – Em resumo, como é o projeto? Missão? Valores? Quantas famílias são acolhidas no centro de acolhimento hoje?

Arthur – Em linhas gerais, o Brasil, um coração que acolhe é um projeto de ajuda humanitária aos refugiados, solicitantes de refúgio e migrantes venezuelanos que estão fugindo da pior crise migratória do hemisfério ocidental, trabalhando com a mesma missão e valores da Fraternidade sem Fronteiras. O projeto nasceu em Boa Vista – Roraima em outubro de 2017, e hoje, nossa maior atuação ainda continua sendo por lá, mantendo dois centros de acolhimento. Um desde 2017, que é o São Vicente II (130 acolhidos) e agora um novo centro de acolhimento que nós mantemos em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que é o Espaço Emergencial 13 de setembro (120 acolhidos). Além disso, o projeto está se expandindo cada dia mais, graças ao pouquinho de cada voluntário/padrinho, estamos começando na cidade de Pacaraima, uma cidade na fronteira do Brasil com a Venezuela, em parceria com a ACNUR e Pastoral do Imigrante, com polo de adaptação e empreendedorismo para os nossos acolhidos e assistidos. Em Manaus – Amazonas, nós também, já temos uma atuação com uma população que mora em um abrigo do lado de uma rodoviária que foi construído pela nossa Operação Acolhida. Hoje nós distribuímos refeição diariamente para essa população e, também, desenvolvemos uma série de atividades emergenciais, com famílias vulneráveis e outras necessidades que sempre nos aparece.

FSF- Como está sendo para Boa Vista e para os acolhidos o projeto?

Arthur – Eu sou meio suspeito para falar, né?. O projeto é muito lindo. Mas se você entende um pouco do contexto de Roraima e com uma breve pesquisa, é possível perceber o quanto a Fraternidade sem Fronteiras vem fazendo a diferença no local. Inclusive, nós somos constantemente solicitados e sugeridos para dar boas práticas de acolhimentos para outros implementadores de projetos, aprendem um pouquinho de como a Fraternidade conduz o projeto e o acolhimento que é tão lindo nos nossos centros de acolhimento. Só para você ter uma ideia, nós temos doze abrigos na cidade, sendo dois da FSF e os outros dez sempre estão atrás da gente para escutar um pouco das nossas práticas. Com isso, a gente acredita em uma comunidade forte e um trabalho bem feito de adaptação cultural, com muito carinho e amor, mas com único objetivo: que os nossos acolhidos se insiram na nossa sociedade e se tornem independentes, que tenham sua dignidade restaurada no melhor tempo possível.

FSF- Tem alguma campanha ou ação em prol do projeto que você gostaria de divulgar?

Arthur – Sim, iniciamos a campanha de Acolhimento Fraterno, que está sendo conduzido pela voluntária Fabiana Rodrigues, neste primeiro momento, essa campanha está sendo direcionada aos padrinhos e madrinhas da Fraternidade. Criamos essa ação/campanha para conectar os voluntários da FSF em diversos cantos do Brasil, para eles terem um treinamento com a nossa equipe do projeto Brasil, um coração que acolhe.  Posteriormente, agendamos as reuniões virtuais com os nossos acolhidos, com o objetivo de compartilhamento de histórias e experiências, para ser um ouvido amigo, até para os nossos acolhidos se sentirem mais acolhidos e à vontade dentro do nosso país.

FSF- O que te motiva a fazer parte desse projeto e da FSF? Quais são seus sonhos para esse projeto?

Arthur – O que me motiva a fazer parte do Brasil, um coração que acolhe e da Fraternidade sem Fronteiras, de maneira geral, é realmente acreditar muito no trabalho e saber que a energia que eu estou despendendo está sendo canalizada para algo maior, para algo muito bonito, com os valores e sensibilidade que os trabalhos da Fraternidade nos trazem – sempre com um olhar diferenciado, com um olhar carinhoso, com olhar amoroso… então, isso me motiva demais. Já sobre os meus sonhos para este projeto, é só que a gente continue com esses olhares atenciosos e com essa maestria que a gente têm conduzido o projeto, acredito que, naturalmente, se nós mantermos este ritmo, em pouco tempo esse projeto será uma referência ainda maior para um contexto de deslocamento mundial que cada vez se agrava mais e, meu sonho é este: que as coisas continuam alinhadas do jeito que estão e cada vez melhores.

Amar faz bem, ser voluntário também.  Clica aqui e apadrinhe essa causa ♥

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias