NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

Fraternidade: Amor sem dimensões

A série de lives “Espiritualidade sem Fronteiras”, transmitida pelo Youtube da FSF, teve como convidados a médica e pesquisadora Adriana Melo juntamente com o escritor e psicólogo Rossandro Klinjey 

Por Karla Silva – estagiária em comunicação da FSF

Todos os domingos reservamos um pedacinho do nosso dia e um cantinho no coração para nos conectarmos aquilo que transcende a alma. A série de lives ‘Espiritualidade sem Fronteiras’ mais uma vez nos convidou a pensar em nossos irmãos e exercitar o amor, a empatia e refletir sobre os efeitos da pandemia em nós.

Rossandro Klinjey, psicólogo, escritor e apoiador da Fraternidade sem Fronteiras, conversou com Adriana Melo, médica e pesquisadora, fundadora do Instituto Paraibano de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (IPESQ), que atende crianças com microcefalia. Adriana falou sobre os desafios de continuar os atendimentos em meio a pandemia do novo Coronavírus e não interromper o tratamento de assistência médica e equipe multidisciplinar.

Em 2020, logo no início da pandemia e diante de tantas incertezas, o tratamento presencial foi suspenso visando a proteção das crianças. Com o atendimento pioneiro de telessaúde com fisioterapeutas. Após avaliação, os profissionais instruíam as famílias quanto aos exercícios e terapias a serem aplicados para cada criança a fim de minimizar os efeitos do longo período sem tratamento, “Essas crianças, quando param a fisioterapia, elas atrofiam e perdem tudo o que já tinha conquistado”, destaca Adriana Melo.

Outro desafio foi a falta de alimentos e kits de higiene para as famílias assistidas. Para solucionar a questão, o Instituto doou cestas básicas, materiais de higiene e máscaras para as famílias. 

Com a volta dos atendimentos presenciais, outra preocupação naturalmente surgiu: preservar a saúde das mães e crianças atendidas, “Graças a Deus, nenhuma das nossas crianças adoeceu de forma grave. Algumas foram contaminadas, não no IPESQ, mas foram contaminadas, mas não tiveram a forma grave. Mas, eu comecei a ter medo de alguma mãe ter a forma grave. Infelizmente, aconteceu”, relembra Adriana, emocionada.

Na história narrada pela médica, a mãe de uma criança atendida no Instituto, precisou viajar para cuidar de um familiar e foi contaminada pela COVID-19, evoluindo para a forma grave e morte. Nesse momento, pensamos o quanto a pandemia pode ser ainda mais cruel com essas crianças que já lutam todos os dias contra as sequelas do vírus Zika e ainda precisam conviver com a ausência da mãe.

Para o psicólogo, Rossandro Klinjey, experiências como essa nos fazem olhar para nossa própria vida, “Não se compara vidas para poder minimizar a dor que cada um de nós sente, mas pra que a gente possa ter parâmetros mais claros de que de fato existem dores maiores e que nós podemos, mesmo em meio as nossas dificuldades, nos mobilizar, nos mover”, ressalta.

Provavelmente, mesmo aquelas pessoas mais resilientes, pensaram em desistir de acreditar nos últimos meses. Desacreditaram de algumas pessoas e de que as coisas possam melhorar e se perguntam se realmente existe luz no fim do túnel.

Existe luz no fim e durante todo o percurso. Nós somos a luz! Cada vez que nos levantamos para estender a mão aquele que precisa, iluminamos tudo à nossa volta. Existem pessoas do bem fazendo a diferença nos quatro cantos deste planeta. Pessoas que buscam vivenciar o amor sem dimensões.

“A cada movimento de dor coletiva como essa, a humanidade inteira não desperta. Mas, pessoas individualmente despertam. Elas são tocadas, transformadas e vêm para uma ação”, destaca Klinjey. 

Para Adriana, a pandemia é uma experiência única: a falta de abraços, o isolamento e tantas outras mudanças que fomos obrigados a adotar para sobreviver. Mas, nunca vivenciamos tantos motivos para exercitar a tolerância, o amor, o aprendizado em lidar com a dor da perda… “A gente vai sair mais forte. Quem tiver com o coração aberto para mudar e reagir com tantas experiências vai sair melhor. Eu acho que não tem como a gente sair melhor. É uma oportunidade para isso”.

Apesar da montanha russa de sentimentos, o amor é refúgio para recarregar as baterias. E nessa montanha, muitas pessoas revelaram o que há de melhor dentro de si. Ou não. Cabe a cada um concentrar-se naquilo que lhe permita evoluir. Juntar-se aos bons e fazer a diferença no mundo. 

Klinjey salienta que o amor vai além do romance, “Amar é uma atitude de responsabilidade. Amar é entender que o que a gente transmite para alguém pode prejudicar ou tornar a vida melhor”. E tornar a vida melhor está ao alcance de todos. Independente de fronteiras: políticas, religiosas, geográficas, financeiras. E, uma vez que derrubamos barreiras, o amor ocupa os espaços.

E, se para o amor não existem fronteiras, para a fraternidade também não. Em cada caravana, cada projeto apadrinhado é a oportunidade de espalhar o bem. Dar e receber, multiplicar, “Quando a gente diz que ir para uma caravana ou ir para um encontro é algo que preenche o coração, a gente está querendo dizer o seguinte: Você vai dar um pouco para receber muito. Você vai dar alguma coisa, mas o que você vai receber é muito mais do que você vai dar. Só quando a gente participa de uma atividade do bem é que a gente entende que a compensação é gigantesca. A conta não bate entre o que você dá e o que você recebe”, comenta Rossandro.

Adriana acrescenta que o que existe em comum entre as pessoas é o amor. E para exercitar o amor é necessário conviver com o diferente. Não é tarefa fácil, porém é um exercício de tolerância. Para o bem viver, o amor, a tolerância, a responsabilidade e o respeito são terra fértil para o florescimento da fraternidade, “Somos pessoas comuns e queremos juntos fazer algo incomum. Nos juntamos porque juntos somos melhores que qualquer um de nós sozinhos. Juntos queremos fazer a diferença para um mundo melhor”, finaliza Rossandro.

Fraternidade é isso. É dar as mãos para nossos irmãos, mesmo sendo eu quem sou, mesmo sendo ele quem ele é. Na união há mais força para a transformação. A Fraternidade sem Fronteiras abraçou a causa do Amor sem Dimensões e compartilha do desejo de garantir tratamento adequado para mais de 80 crianças com microcefalia.

Para conhecer mais sobre o projeto, clique aqui. Assista a live na íntegra clicando neste link.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Gostou e se interessou por alguma? Venha fazer parte!