NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

Fraternidade sem Fronteiras faz campanha para ajudar no combate à desnutrição de crianças em Madagascar, África

SOS Madagascar foi lançada na última quinta-feira, 18 de março, com transmissão ao vivo pelas redes sociais

Por Laureane Schimidt – assessoria de imprensa FSF


A Organização humanitária Fraternidade sem Fronteiras (FSF) lançou nesta quinta-feira, 18 de março, a campanha SOS Madagascar. O evento foi transmitido, ao vivo, pelas redes sociais da ONG e também de parceiros, como Rádio Web Fraternidade, Rede Amigo Espírita e Andrei Moreira (diretor de Relações Públicas FSF). 

Durante duas horas e meia de evento, padrinhos, madrinhas, colaboradores, convidados e o fundador-presidente da FSF, Wagner Moura Gomes fizeram uma exposição ao público da realidade desafiadora de Madagascar diante da necessidade de combater a desnutrição, quais são as atividades do Projeto Ação Madagascar da FSF e como é possível ajudar.  

Fundador-presidente da FSF, Wagner Moura Gomes

“A situação é desafiadora e exige uma ação emergencial de todos nós. Quando chegamos a Madagascar eram 200 crianças em tratamento nutricional, hoje são mais de 1600. Precisamos garantir o alimento a estas crianças. A FSF unifica as fronteiras em um só coração, em um só trabalho e com amor”, explicou o fundador-presidente da FSF, Wagner Moura Gomes. 

O objetivo da Campanha SOS Madagascar é arrecadar doações que possam garantir o tratamento nutricional de no mínimo 1600 crianças que já são atendidas pelo Projeto Ação Madagascar da FSF e acolher muitas outras. Inicialmente, a meta é de R$100 mil reais. Durante a transmissão do evento foram quase R$50 mil arrecadados. As doações poderão ser feitas a partir de R$25 no link: https://fraternidadesemfronteiras.colabore.org/sosmadagascar/single_step

Simão Pedro falou sobre “O amor: o mandamento maior”

“Onde tem fome tem urgência moral, espiritual e humanitária”, definiu a madrinha e pediatra Graziela Almeida durante participação no evento de lançamento da campanha, que também contou com a presença de outros padrinhos e madrinhas do Projeto Ação Madagascar, além do expositor espírita, Tatto Savi; do integrante da Federação Espírita do estado de Rondônia, Jorge Elahá; da médica da família e comunidade, Janaíne Camargo; da nutricionista Claudete Chiapini e do membro da Sociedade Espírita Casa do Caminho de Patrocínio – MG, Simão Pedro.

Janaíne e Claudete participaram do painel: “A fórmula do bem”, sobre o tratamento nutricional para a desnutrição

O tratamento nutricional é demorado,  lento e caro. “A fórmula nutricional encareceu. O dólar subiu, o preço do leite também, além dos custos de importação dos alimentos até Madagascar”, explica a nutricionista e responsável pela implementação da fórmula nutricional da Organização Mundial da Saúde (OMS) no projeto Ação Madagascar, Claudete Chiapini.

 

Sobre Madagascar: A ilha, ao sul da África, é um dos cinco países mais pobres do mundo. Tem o tamanho aproximado do estado de Minas Gerais e com desafios imensos. Há 60 anos, a ilha africana conquistou a independência, era uma ex-colônia francesa, agora, as lutas diárias são para sobreviver e não morrer no isolamento da miséria. 70% da população deste país estão abaixo da linha da pobreza e quase metade das crianças menores de 5 anos sofrem de desnutrição. Seca, lavouras perdidas, tempestades de areia, pandemia que fechou fronteiras e agravou a recessão no país e alimentos com preços disparados. Tudo isso fez com que a fome tomasse uma proporção e é chamada de A Grande Fome.

Projeto Ação Madagascar – Desde 2017, a Fraternidade sem Fronteiras trabalha no combate à desnutrição nesta região. No último ano, colaboradores da Organização encontraram comunidades em estado de emergência nutricional e outras com a classificação faminto, quando há mais de 30% de desnutrição moderada ou grave. A FSF oferece, em 11 Centros de Acolhimento, atendimentos médicos e mais de 6 mil refeições diárias. Desde o início da pandemia provocada pela Covid-19, o número de refeições dobrou. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias