NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

Apadrinhar é dar o primeiro passo para fazer a diferença no mundo de alguém

A madrinha de Petrópolis – RJ, Claudia Carvalho, compartilha como o caminho dela cruzou com o da FSF e as emoções deste encontro

Por Karla Silva – estagiária em comunicação da FSF

Claudia Carvalho é de Petrópolis – RJ, madrinha da FSF desde 2018 e durante a transmissão ao vivo pelo Instagram da Fraternidade sem Fronteira, na série de lives Eu sou Padrinho/ Madrinha, ela nos emocionou com as experiências e histórias vividas até agora nesta missão de amor. O caminho dela cruzou com o da Organização pela curiosidade. “Eu via as mãozinhas nas camisetas e não sabia que mãozinha era essa. Em novembro de 2018, um domingo, estava sozinha no apartamento e resolvi assistir ao congresso espírita do estado do Rio de Janeiro, para ver o Alan, um querido amigo compositor e músico, e eu sabia que ele tinha se apresentado no congresso. Depois do Alan veio a apresentação do psicólogo e escritor Rossandro Klinjey e da médica e pesquisadora Adriana Melo. E quem chegou lá? A mãozinha… Eu falei: gente, preciso descobrir que mãozinha é essa”, revela.

Esse foi o ponto de partida para Claudia mergulhar nas histórias, projetos e possibilidades de transformação que se abriam diante de seus olhos, “Eu passei madrugada adentro olhando todos os projetos sem saber qual eu ia apadrinhar. Eu ia e voltava para o Nação Ubuntu. Eu olhava todos os projetos e voltava para o Malawi. Aí eu apadrinhei o Malawi e nesse mesmo dia eu adquiri camiseta, bonés… Foi meu presente de Natal! Inclusive com o ingresso para o encontro que ia ter em Belo Horizonte”, conta empolgada parecendo reviver o momento.

Já no encontro [ III Encontro Fraternidade sem Fronteiras, em abril de 2019, em Belo Horizonte – MG], e aqui vale destacar a alegria e euforia de Claudia que nos arranca sorrisos ao se comparar a uma criança em um parque de diversões, ela percorreu todos os projetos, mas como um imã, Nação Ubuntu a chamava para perto e fazia crescer a vontade de participar de uma caravana. Infelizmente, com a pandemia do novo Coronavírus, foi preciso suspender todas as caravanas. O sonho da Claudia ainda não se realizou, mas nada que abale a sua alegria e euforia, muito pelo contrário, nossa madrinha apadrinhou mais um projeto: Fraternidade na Rua que, recentemente, inaugurou o Centro de Acolhimento Referência no Rio de Janeiro – RJ. 

Dedicada aos projetos sociais desde criança, Claudia sempre buscou doar o  melhor para o próximo. Formada em enfermagem e atuando na área, ela buscava um lugar onde pudesse colaborar com sua profissão e irmandade. “Eu nunca consegui ver um projeto que tocasse meu coração, que eu conseguisse ver o resultado e com a Fraternidade, olhar as caravanas, ouvir os relatos, eu vi que tinha retorno, eu vi que eu ia conseguir estar junto, mesmo que eu não fosse nas caravanas, eu vi que ia conseguir fazer a diferença com muito pouco. Um apadrinhamento de R$ 50 faz muita diferença. E isso me tocou, fez uma diferença para mim… Me fez ver que é esse o caminho que eu preciso para me tornar uma pessoa melhor. Na verdade, é ajudar, mas a gente acaba se ajudando mais”, emociona-se.

Embora as caravanas estejam suspensas, em julho deste ano, a Fraternidade sem Fronteiras organizou uma Caravana Emergencial de Saúde para Manaus – AM, com o objetivo de levar assistência médica e multidisciplinar para as comunidades atingidas pela cheia histórica dos Rios Negro e Solimões. Além de doações de roupas, alimentos e aluguéis temporários.

Com a ação, Claudia deu voz ao coração, tirou férias no trabalho e não pensou duas vezes em participar e contribuir com seu conhecimento como enfermeira na área de ginecologia. “Cheguei lá sem conhecer ninguém pessoalmente, mas a Fraternidade é uma grande família. Há um acolhimento de todos. Parecia que eu já tinha ido a várias caravanas com eles. E tudo dá certo, é impressionante!”, emociona-se.

Vários momentos certamente marcaram para sempre a vida de Claudia. Mas, será que é possível esquecer da força que tem a gratidão? “Todos quando chegavam para o atendimento eram com sentimento de gratidão, o tempo todo e com sorrisos. A gente viu isso o tempo todo com sorrisos, mesmo os mais acanhados, as pessoas mais fechadas, mas com respeito e gratos por estarmos ali”, conta.

Com tantas histórias tocantes, nossa madrinha nos emociona e nos faz pensar quanto podemos fazer por nossos irmãos com o que temos nas mãos. Seja com recurso material ou não, às vezes ouvir, abraçar, segurar na mão de alguém que esteja passando por um momento difícil… Não importa. Todos podemos fazer algo por alguém, todos os dias. Em qualquer lugar!

“O que a gente fez foi muito pouco. E o que pode acontecer a partir de agora, as pessoas se movimentando, é muita coisa. É só dar o primeiro passo, às vezes a gente fala: Ah! Eu quero apadrinhar, mas não faz. Ou porque esquecem ou porque não confiam. Mas, na Fraternidade não tem como não acreditar, não tem como não fazer. Para mim é uma mudança de vida e de pessoa”.

Entusiasmada com a possibilidade de transformar a vida dos acolhidos nos projetos da FSF por meio do apadrinhamento, Claudia não se cansa de dizer sobre a importância de apadrinhar e assim assegurar a continuidade do trabalho de acolhimento dos 10 projetos da Organização.  E, ao apadrinhar é possível entregar mais do que comida, educação, água ou oportunidades.

“Para mim é dar dignidade. Quando a gente ama a gente quer cuidar. Quando a gente apadrinha é porque a gente quer dar o melhor através desse apadrinhamento. A gente consegue ver a mudança. É você dar uma chance para essas crianças, jovens e idosos de terem uma vida melhor, conseguirem respirar, comer, terem um lugar para dormir. Tem muito para gente fazer! O apadrinhamento é o que move os projetos”, ressalta.

Como madrinha do projeto Fraternidade na Rua, Claudia chama a atenção para a necessidade de voltarmos os olhos para as pessoas em situação de rua. “O projeto é lindo! Eu não podia não abraçar um projeto que está dentro do meu estado e que precisa muito. Tem mais de 15 mil pessoas em situação de rua, são famílias que estão na rua porque perderam a casa, são pessoas que precisam de ajuda de todas as formas. Na saúde, para tirar um documento, voltar para sua cidade”.

E nos conta do poder da união pelo bem.

“Eu procurei saber se no Centro [ de Acolhimento Referência, do projeto Fraternidade na Rua, polo Rio de Janeiro – RJ] estavam fazendo sopa, comida para entregar às pessoas em situação de rua. A média era de 300 quentinhas. Um dos meus empregos é do lado de um atacadão de legumes e eu falei: eu estou comprando para fazer quentinhas para pessoas em situação de rua e preciso de um preço com desconto. Ele falou: tá bom! Ele me fez o preço de custo da batata, mas me deu o dobro da batata. Eu pedi cebola, ele fez o preço de custo e me deu três vezes mais cebola. Gente, batata, cebola, alho, feijão… Então, multiplica. Na Fraternidade tem muita dificuldade, mas as coisas vão acontecendo. E com muito pouco a gente consegue fazer a diferença”, finaliza.

Assista na íntegra a quinta live, transmitida pelo Instagram da FSF, clicando aqui. As lives são transmitidas pelo Instagram da FSF às quartas-feiras com o objetivo de reforçar a importância do apadrinhamento. Além disso, são uma oportunidade para apresentar os padrinhos e madrinhas que mantêm os projetos da Organização. Também quer participar? Entre em contato com um dos nossos canais de relacionamento. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Gostou e se interessou por alguma? Venha fazer parte!