NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

A trilha para construção da fraternidade une realidades diferentes sob propósitos iguais

O mundo está cheio de histórias de pessoas que, mesmo com realidades distintas, em algum momento, por meio das surpresas da vida, se conectam, provando que nada acontece por acaso. Na Fraternidade sem Fronteiras (FSF), milhares de pessoas se unem sob o propósito do amor ao próximo e da fraternidade, e muitas delas chegaram por caminhos que, se não fossem traçados anteriormente, talvez não tivessem se encontrado com esse movimento de união e mãos estendidas aos que mais precisam. 

Caravaneiros voluntários visitam o projeto para prestar apoio aos acolhidos

Entre todas as iniciativas que a organização abraçou com carinho a fim de dar uma melhor sustentabilidade para as pessoas atendidas, a história do Chemin du Futur e, consequentemente, de Edmilson Neto, é um desses bonitos exemplos de que quando a mensagem da fraternidade universal rege as atitudes de corações bondosos, o universo conspira a favor e sempre encontra soluções para problemas que antes pareciam impossíveis de resolver. 

Aposentado do Corpo de Bombeiros de Campinas (SP), Edmilson não imaginava o quanto o propósito de sua vida mudaria quando foi convidado para fazer a segurança pessoal de um pesquisador brasileiro que iria a Dakar, capital do Senegal, para estudar o fenômeno do talibe, que faz com que o país tenha recordes em números de meninos em situação de rua. O bombeiro aceitou o convite e, como o pesquisador precisou se retirar da pesquisa, ele, impactado pela realidade local, terminou como pode todos os estudos, apresentando os dados para o organização que o contratara. Ao fim da reunião determinou que se nada fosse feito por aquelas crianças ele mesmo voltaria à África e tentaria resolver o problema com os recursos que dispunha. 

“Talibe é o aluno de um professor conhecido como marabu, uma figura religiosa respeitada no islamismo. Ele recruta crianças de cinco, seis anos de idade para estudar o Alcorão em uma daara. Porém, no Senegal, esses lugares são feitos de pau a pique e os meninos vivem com mais 80 ou 100 crianças, sem a menor condição humana minimamente digna; sequer tem banheiro, saneamento ou cama. Acontece que algumas crianças cansam de mendigar de manhã e estudar o Alcorão à noite sem nenhum lazer, comida ou alfabetização, então, elas fogem dessas daaras e ficam dormindo ao relento e, por conta disso, no Senegal tem o maior índice de meninos de rua no mundo”, explica Edmilson ao falar sobre a necessidade que o levou a voltar ao Senegal e ajudar essas crianças.     

Os meninos do Chemin são atendidos por dentistas voluntários

Pois bem, assim foi feito. Edmilson foi autorizado a voltar ao Senegal e com o apoio da dita instituição começou a acolher crianças das ruas de Dakar, as hospedando em uma casa onde recebiam estudos, alimentação e tinham estrutura adequada para se desenvolver, dando origem ao Chemin du Futur (Caminho do Futuro, em francês). De início tudo ocorreu bem e Edmilson inclusive escreveu uma história em que dois personagens, um morador do orfanato e outro não, interagiam contando sua realidade um para o outro. A história escrita por Edmilson foi traduzida por um senegalês chamado Mark Sheraphin Diompy, que de imediato foi contratado para trabalhar como monitor, dar aulas para os acolhidos e hoje é vice-presidente e coordenador local do projeto. 

Após algum tempo, a organização que apoiava o projeto fechou, mas, mesmo sem poder contar com o recurso que vinha deles, Edmilson decidiu dar continuidade ao trabalho, pois, tinha um compromisso com aquelas pessoas que dependiam dele para ter um lar e também um sustento, tendo em vista que muitas pessoas subempregadas passaram a receber um salário digno e ter uma vida melhor graças ao projeto. 

Porém, o dito popular que diz que quem faz o bem, tem de volta o bem em dobro se fez concreto e, mais uma vez, a vida foi responsável por cruzar caminhos e histórias que pareciam pré-determinadas a se encontrar. Na noite em que Edmilson enfim decidiu que não daria mais continuidade ao projeto ele recebeu uma ligação e, algo que parecia rotineiro, transformou seus planos mais uma vez. 

A Fraternidade apoia o Chemin du Futur desde 2016, mantendo o projeto por meio do apadrinhamento

Além de bombeiro, Edmilson trabalhava com drones e, por indicação de um vendedor de São Paulo, Ranieri Dias, hoje vice-presidente da Fraternidade sem Fronteiras, o ligou pedindo que fizesse algumas filmagens em Moçambique, pois sabia que ele já estivera na África. À época, a FSF atendia quatro mil crianças e Ranieri se interessou em saber o que levou Edmilson à África e, quando ele lhe explicou a respeito do Chemin, logo se dispôs a ajudá-lo, o colocando em contato com Wagner Moura, presidente-fundador da FSF. 

 “Fui para casa do Ranieri, que quando me viu disse que já me conhecia por conta de uma palestra que eu tinha feito dez anos antes. Meia hora depois, o Wagner falava comigo no telefone e, cinco dias depois, eu tinha um dinheiro no Senegal. Assim, dentro de uma semana estava viajando para Moçambique para filmar com o drone e editar 26 videos para o projeto de lá. A partir daí, eles me conheceram, eu conheci a Fraternidade e estabelecemos a parceria que dura até hoje”, relembra Edmilson.  

Com a junção de propósitos tão semelhantes, os projetos tiveram ganhos mútuos: de um lado Chemin du Futur prosseguiu com o acolhimento de crianças abandonadas e, de outro, a Fraternidade cresceu, agregando mais pessoas no objetivo de propagar práticas do bem e do amor ao próximo. 

Os acolhidos recebem diversos tipos de formações na área pessoal e profissional

Edmilson celebra o apoio recebido da Fraternidade, pois, a partir disso, as conquistas foram inúmeras. Em 2019, durante a 2ª caravana de voluntários, foi inaugurada uma padaria, uma sala de leitura e outra de informática. “Essa nova fase é fantástica porque descansamos sabendo que as crianças terão o que comer no outro dia. Ganhamos uma padaria, um terreno de 600m, levamos a primeira caravana, tudo graças a Fraternidade. Também temos a possibilidade de acolher mais crianças,” conta. 

Mark, vice-presidente e coordenador local do Chemin, também se sente grato a Fraternidade sem Fronteiras, pois, de acordo com ele, cada vez mais as pessoas em Dakar estão apreciando o trabalho feito pelo orfanato. “Espero que o projeto cresça para construirmos um centro maior, pois, a demanda é grande e planejamos abrigar mais 40 crianças em 2020”, finaliza. 

Toda a história de construção e estruturação desse lugar que transforma tantas vidas é um exemplo de que um mundo mais fraterno depende apenas da nossa vontade de olhar para quem mais precisa e encontrar formas de mudar a realidade e, mesmo que pareça um trabalho de formiguinha, enquanto estivermos agindo para o bem comum, a vida tratará de cruzar esses caminhos e fazer com que as pessoas generosas se encontrem e se unam cada vez mais. 

Você pode nos ajudar nessa corrente do bem! Clique aqui para saber como fazer sua parte! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Gostou e se interessou por alguma? Venha fazer parte!