Blog

Ajude-nos a divulgar. Compartilhe esta história!

Rate This:

[Total: 0    Média: 0/5]

“Filha” da Fraternidade na universidade

| | Depoimentos, Evolução dos Projetos, Histórias, Moçambique, Notícias, Realidade

Especiosa com 10 anos no início da FSF

Especiosa com 17 na casa em que morava de aluguel

“Filha da Fraternidade Sem Fronteiras”. É assim que Especiosa Marge se apresenta. Uma das primeiras crianças de Moçambique a serem apadrinhadas pela Fraternidade, Especiosa tem hoje 17 anos e está na faculdade, estudando Biologia.

Nascida em Chicualacuala, na Província de Gaza e órfã de mãe desde os 6 anos, Especiosa começou a frequentar o centro de acolhimento de Barragem aos 10. Ao longo de oito anos recebeu refeições, participou de oficinas, teve assistência médica e pôde estudar com ajuda dos padrinhos.

O primeiro contato da ONG com as crianças é sempre emocionante para ambas as partes e provoca lembranças que o tempo não é capaz de apagar. “Se eu me lembro como foi? Eu me senti renovada, com uma nova família e aprendi muito. O principal foi amor ao próximo”, conta Especiosa Adriano Marge.

Por vontade dos padrinhos, Especiosa continua a contar com a contribuição mensal deles para estudar. O sonho de Especiosa é o de se formar em Biologia, curso que começou em março deste ano, no Distrito de Massinga em Inhambane, onde mora em uma casinha de aluguel. Serão quatro anos de faculdade pela frente até que o diploma chegue e lhe permita ser professora. Para Especiosa, não basta aprender, é preciso compartilhar. “Eu quero me formar sem decepcionar os meus padrinhos e um dia também poder ajudar os outros”.

As palavras dela saem num misto de gratidão e alegria. Sentimentos que juntos resumem o que é felicidade para a nossa primeira universitária. “Felicidade para mim é isto: estar em paz de espírito, me sentir bem”.

Apadrinhamento de jovens – Desde que a Fraternidade começou o acolhimento de crianças, em Moçambique, os projetos de apadrinhamento também se estenderam aos jovens. O apadrinhamento deles é a partir dos 13 anos ou do 9° ano escolar e com a contribuição de R$ 100,00 por mês, os padrinhos garantem alimentação nos centros, condução para a escola e o material escolar necessário. Hoje, são 460 jovens apadrinhados.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO