NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

“Eu sou porque nós somos”: líderes Ubuntu explicam o que é essa filosofia africana na campanha #Ubuntu da FSF

“Eu sou porque nós somos. Não importa a cor da pele, não importa o país de onde é”. Ubuntu “é uma filosofia que nos permite descartar todas as diferenças”. Esse foi um dos ensinamentos que o líder Ubuntu Maick Mutej trouxe na primeira live da campanha #Ubuntu, transmitida nos perfis do Instagram da Fraternidade sem Fronteiras, na última sexta-feira (5).

A campanha #Ubuntu tem reunido centenas de pessoas do mundo inteiro que têm aprendido mais sobre a filosofia africana por meio dos nossos líderes Ubuntu Maick Mutej e Frank Donald, Prince Kalolo e Felly Zihal, junto com os condutores do encontro, a coordenadora pedagógica Cesaltina Muchanga e o jovem universitário (acolhido pela FSF) Luis Mucavel.

Durante esses dois encontros que aconteceram na sexta-feira última (5), com a participação de Maick e Frank, do Malawi/África, e nesta segunda-feira (8), com Prince e Felly, do Madagascar/África, os líderes Ubuntu contaram sobre suas experiências de como viver Ubuntu e explicaram sobre a filosofia que prega a união, a fraternidade e o amor.

O líder Ubuntu Maick chegou ao Malawi/África como refugiado, passou por difíceis momentos até ser ajudado por um amigo da universidade, que o acolheu oferecendo o melhor lugar que tinha. “Ele me considerou como irmão”, lembrou Maick. Esse ato o despertou para aprender sobre a filosofia Ubuntu e a praticá-la.

Hoje, depois de aprender e vivenciar no seu dia-a-dia o Ubuntu, Maick reflete sobre o significado dessa filosofia na sua vida: “O essencial é saber o que precisamos na vida e o amor que temos com os outros. Praticar o amor. A cada minuto que nós praticamos o ódio em vez do amor, nós nos destruímos. Não há vantagem nem coisas boas no ódio. Deve haver um sentimento humano, devemos considerar o outro como nós mesmos”, conclui.

Assim como Maick, Prince também vivenciou Ubuntu quando chegou a Madagascar. “Quando escutei um pai aqui em Madagascar [falar]: ‘A sua doença é minha doença, a sua dor é a minha dor’. Isso me tocou muito. Esse pai disse que não comia antes que o vizinho tivesse algo para comer também. Quando estamos na nossa comunidade e vemos o outro irmão pedindo o que comer, o vizinho partilha a comida com todos. Isso é o que chamamos de Ubuntu”, conta.

Esse ato é aprendido todos os dias pelas crianças que Felly ensina no projeto Nação Ubuntu. “Quando nós servimos a comida que temos para as pessoas comerem, vemos que as crianças, mesmo com fome, querem dividir a comida. Isso é Ubuntu, uma pessoa com fome, mas preocupada em dividir.  É aí que eu entendo o que é Ubuntu e percebo que todos nós nascemos com essa filosofia dentro de nós.

Falando por todos os líderes Ubuntu, Frank explica que eles chegaram a ser líderes Ubuntu depois de estudar e colocar na prática essa filosofia. Ser líder Ubuntu, “é ser um exemplo de valor humano, moral. Quer dizer que que nós refletimos sobre esse valor e nós somos um exemplo desse valor. Nós refletimos, praticamos e pensamos várias vezes sobre a humanidade, sobre o respeito, sobre todos os valores morais”, explica.

No momento atual, em que tantos corações precisam de esperança, os nossos líderes Ubuntu, com todo amor e cuidado, se dispuseram a contar suas vivências Ubuntu e a explicar sobre essa filosofia que prega o amor, a fraternidade, a igualdade e a união. Para finalizar o lindo encontro da campanha #Ubuntu que aconteceu hoje, Prince deixou-nos uma reflexão: “Nesse momento difícil é [quando] podemos ver a nossa humanidade. Não podemos mostrar o amor só em momentos de alegria. É nesse momento que todos nós devemos mostrar o amor, colaborar, e sermos mais humildes. É nesse momento que devemos criar a mudança que queremos ver no futuro. Imagina, nesse momento, mostrar o amor, a compaixão, o respeito, a união, e ajudar uns aos outros? Vamos ver que haverá uma mudança. E vamos mostrar ao mundo que somos seres humanos que Deus queria que fossemos. Eu sou porque nós somos! Esse é o momento!”.

Se você perdeu esse encontro lindo de aprendizagem Ubuntu, acesse nosso Instagram e assista no IGTV o que os nossos líderes Ubuntu têm a compartilhar. Acompanhe também nossas próximas lives que acontecerão na quinta-feira (11), com todos os líderes Ubuntu, com transmissão em inglês; e na próxima segunda-feira (15), com a coordenadora do projeto Nação Ubuntu, Clarissa Paz, e o professor Evaldo Palatinsky.

3 Comments to “ “Eu sou porque nós somos”: líderes Ubuntu explicam o que é essa filosofia africana na campanha #Ubuntu da FSF”

  1. Avatar Fábio Anselmo says :Responder

    Linda iniciativa! O mundo precisa de UBUNTU!!! Força para uma jornada vitoriosa.

    1. Avatar EDVALDO DE PAULA SILVA says :Responder

      Vamos dar publicidade ao mundo!

  2. Avatar ph né vida! says :Responder

    obg
    pelo o meu trabalho de historia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Gostou e se interessou por alguma? Venha fazer parte!