Blog

Ajude-nos a divulgar. Compartilhe esta história!

Rate This:

[Total: 0    Média: 0/5]

Padrinho da FSF, Dj Alok lança “vaquinha” para construção de escola na aldeia de Muzumuia, na África.

| | Não categorizado

“Educação e Fraternidade” beneficiará  inclusive a compra da mobília e a construção de um refeitório no local

Por Laureane Schimidt – Assessoria de Imprensa Sede FSF

Nesta quarta-feira (27), a Organização humanitária Fraternidade Sem Fronteiras (FSF) recebe o lançamento da “vaquinha” ‘Educação e Fraternidade’ – realizada pelo padrinho e amigo da causa, DJ Alok. A iniciativa visa doações para a construção de uma escola na aldeia de Muzumuia, na África, onde está localizado o projeto Acolher Moçambique, da FSF.

Segundo o DJ Alok, a meta chegar ao valor de R$ 250 mil. O recurso será usado para a construção do prédio, de um refeitório e ainda para a compra de cadeiras, mesas e material escolar. “A vaquinha ‘Educação e Fraternidade’ quer levar para as crianças acolhidas pela FSF, a esperança de um futuro diferente e estruturar os centros de acolhimento com mais equipamentos”, explica o diretor de Relações Públicas da FSF, Andrei Moreira, que acompanha o artista na viagem à África.

As doações podem ser feitas a partir de R$ 10 no link https://fraternidadesemfronteiras.colabore.org/vaquinha/single_step

DJ Alok na África

Esta é a quarta vez que o Dj Alok está na África acompanhando projetos da Fraternidade Sem Fronteiras. No ano passado, nesta mesma época, ele fez um show para 8 mil pessoas e doou todo o cachê para a Fraternidade Sem Fronteiras. Foram R$ 250 mil  destinados à construção de uma escola na aldeia 7 de Abril, em Moçambique/África. O local não tinha estrutura para receber os alunos, por isso, foi feita a construção de um novo prédio. Hoje atende mais de 1.500 crianças.

“A jornada na África é a mais intensa da minha vida. É um choque de realidade. Fico impressionado com tudo que vivo aqui. Para onde você olha tem crianças andando sozinhas. O mais velho cuidando do mais novo, porque a maioria é órfã. Elas não vivem, sobrevivem”, relata Alok sobre as experiências no continente africano. E complementa dizendo do trabalho sério e comprometido da Fraternidade Sem Fronteiras em todos os dez projetos da instituição. “Eu faço questão de abraçar esta causa e ir até o fim com eles, porque eu vejo o quanto é eficiente e importante na vida dessas crianças”, complementa o Dj.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO