Projeto

Brasil, um coração
que acolhe

A esperança move centenas de venezuelanos, todos os dias, em direção à fronteira com o Brasil. Eles deixam a Venezuela, sob o impacto da crise humanitária no País. Chegam à Roraima, com quase nada de recurso, ávidos por uma oportunidade de trabalho.

Profissionais formados, operários, homens e mulheres buscam trabalho. Enquanto a oportunidade não chega, convivem com a dor de não saber como alimentar a família e, muitas vezes, não sabem nem mesmo onde vão passar a noite.

Em Roraima, conhecemos migrantes e também corações dispostos a ajudar. Unimos  voluntários, apoiadores e lançamos o projeto Brasil, um coração que acolhe.

Construímos um centro de acolhimento  e estamos amparando 100 famílias. A estrutural local conta com dormitórios familiares, refeitório e banheiros coletivos.

Voluntários são “padrinhos sociais”. Eles cuidam especialmente de uma família e mobilizam  ajuda para atender necessidades como matrícula de criança em escola, atendimento médico, orientação sobre documentos, e auxiliam na busca de oportunidade de trabalho.  

Estamos também articulando parcerias para oferecer cursos de formação para o trabalho e  renda, e de língua portuguesa.

O objetivo é que as famílias conquistem autonomia, em breve tempo, passando a garantir o próprio sustento, e oportunizando o amparo de outras pessoas mais necessitadas.

Até a independência financeira, elas permanecerão no centro de acolhimento, recebendo 3 refeições diárias, animando o coração pelo sentimento de fraternidade.

Centro de acolhimento da FSF - Roraima no Fantástico

Trabalhar para recomeçar

As notícias se espalharam da mesma maneira que os venezuelanos se encontram pela cidade. Por todo lugar, refugiados em Roraima, fronteira com o país vizinho em crise. A Organização humanitária Fraternidade sem Fronteiras estendeu mais um braço. Mais um sonho que virou realidade.

Cinco mil metros quadrados é o tamanho do centro de acolhimento com capacidade para 100 famílias. 100 barracas, cozinha, refeitório, banheiros e lavanderias coletivos e redário ocupam o espaço. Corações voluntários que já ...

Quero oferecer emprego

Acesse aqui se você puder ajudar, criando uma oportunidade de emprego para um trabalhador venezuelano.

Quero apoiar um trabalhador

Acesse aqui e informe como você pode ajudar apoiando e/ou mobilizando apoio para a viagem e a instalação do trabalhador e sua família na cidade onde terão nova oportunidade

Quero ser tutor fraterno

Sempre que um trabalhador ou família receber uma oferta de emprego ou se deslocar para outra cidade, um tutor fraterno zelará por essa nova fase, mantendo contato com todos os envolvidos.  O tutor fraterno é um voluntário da Fraternidade sem Fronteiras que zelará por até dois anos dessas novas relações, oferecendo orientação e auxílio para os imigrantes e para quem quer ajudar.

Visualize os currículos

Clique no botão para visualizar o currículo de trabalhadores venezuelanos que estão em nossos centros de acolhimento.

PARAGEM FRATERNA

Um lugar provisório e acolhedor até conseguir emprego para recomeçar.
Você pode mobilizar a família e amigos e organizar uma instalação acolhedora e temporária na sua cidade para uma família venezuelana, até que ela consiga trabalho na região. Esse gesto renovará a esperança do trabalhador e abrirá vaga para outra família no centro de acolhimento, em Boa Vista.

Publicações Relacionadas

Vídeos relacionados

TOPO