Blog

Ajude-nos a divulgar. Compartilhe esta história!

Rate This:

[Total: 38    Média: 4/5]

“Perdi tudo… mas eu estava com Deus”.

| | Histórias, Malawi, Notícias

“(…) tudo estava escuro para mim, estava muito triste pensando na minha família, pensando que os perdi e que nunca mais os veria. Triste por não entender porque o mundo é injusto e indiferente. Triste por não saber a quem recorrer… O começo de uma história com um futuro sombrio que só Deus sabia. Perdi tudo, perdi minha família, perdi meus amigos, perdi minha casa…,mas eu estava com Deus”.

A história de Maick nos mostra que os caminhos que nos levam a descobrir o sentido para a nossa vida são diferentes a cada um de nós. As jornadas que trilhamos até achar aquilo que faz nossa existência fazer sentido são particulares e intransferíveis.

Maick hoje é um dos líderes Ubuntu do projeto da Fraternidade sem Fronteiras (FSF) no Malawi, mas, até chegar a essa parte da sua vida, precisou entender e aceitar os caminhos que o levaria até lá.

Natural da República Democrática do Congo, Maick precisou fugir do país após ter sua casa invadida e bombardeada. Seu pai foi acusado de traição ao governo de Joseph Kabila, no poder há 17 anos. Na fuga, Maick se perdeu da família e com a ajuda de algumas pessoas no decorrer do caminho, acabou chegando ao Malawi. “Eu cheguei por um milagre que só Deus pode explicar, eu simplesmente me vi no Malawi em um campo de refugiados … Foi o plano de Deus”, conta ele, que continua, “meus primeiros dias no acampamento não foram nada fáceis, como se eu estivesse sonhando à espera de alguém para me acordar. Era difícil de acreditar, difícil de aceitar a realidade. Eu tinha uma ferida na minha alma e não conseguia ter paz”.

Maick vive há quatro anos no Campo de Refugiados Dzaleka e todo esse tempo acreditou que sua família (mãe, pai e irmã) estava morta. Até alguns meses atrás quado recebeu uma mensagem da irmã via rede social. “Minha família se desconectou da mídia social por razões de segurança. Por mais que eu achasse que todos estavam mortos, mantive as minhas mídias ativas acreditando que se por um milagre alguém estivesse vivo seria mais fácil para eles entrarem em contato comigo… Até o dia em que recebi uma mensagem da minha irmã”, conta ele.

Emocionado, pediu pela primeira vez ajuda em benefício próprio. “Há dois anos eu faço trabalho no Malawi e há dois anos ele trabalha comigo. Nesse tempo todo o Maick nunca me pediu nada, sempre foi dedicado a comunidade e trabalhou de coração”, conta Clarissa Pereira da Paz, coordenadora do projeto da FSF no Malawi, Nação Ubuntu. ”Dois meses atrás ele chegou em mim e me pediu ajuda, me disse: ‘Clarissa, minha família está viva, me ajuda a encontrar eles’. Apesar do risco gigante que era cruzar a fronteira, ajudamos ele a voltar”, conta ela.

No Congo, Maick reencontrou a família e se reconectou com sua história. “Vê-los foi como acordar de um sonho ruim. Foi incrível, chorei muito…  O momento foi de fortes emoções porque rever as pessoas que você achava que estavam mortas e ser capaz de tocá-las de novo… Posso dizer que foi quase um momento de ressurreição para mim”, desabafa ele.

Todos hoje vivem distantes do local do atentado e em paz, mesmo depois do ocorrido. O final feliz de Maick poderia ser facilmente achado nessa parte da história: voltar para casa e retomar sua vida que foi drasticamente mudada há quatro anos atrás.

O que muitos não esperavam, porém, foi que apesar do encontro, da boa condição financeira da família no Congo e da oportunidade de voltar a viver de uma maneira mais confortável, Maick decidiu voltar para Dzaleka. “Quando ele me disse que voltaria, me explicou que com a Fraternidade sem Fronteiras havia encontrado o caminho dele”, conta Clarissa, que acrescenta, “quanto mais eu penso em como ele poderia viver tão bem com a família mas escolheu viver no Campo de Refugiados, trabalhando pela comunidade, mais eu fico emocionada”, desabafa ela.

Campo Dzaleka

“A Nação Ubuntu é o chamado da minha vida, a minha missão, uma responsabilidade para mim. É hoje o meu maior sonho: lutar contra o ódio e implantar o amor”, comenta ele ao explicar o motivo de decidir voltar.

 Durante os anos no Campo de Refugiados, Maick trabalhou na tentativa de mudar o mundo das pessoas a sua volta. Um mundo regado por dor e tristeza. História que nos emocionam e chocam, por apresentar uma realidade muito distante da nossa.

“O começo de uma história com um futuro sombrio que só Deus sabia…” Deus de fato sabia, sabia que nessa trajetória, Maick descobriria na dor uma fé capaz de acalmar todos os seus questionamentos. Descobriria no sofrimento uma força capaz de fazê-lo sorrir mesmo diante de tanta injustiça. Deus sabia que ali, na dura realidade que lhe foi imposta, Maick descobriria o amor pelo próximo, Maick encontraria com Ele, sorriria e o convidaria para entrar, Ele entraria e plantaria no coração do jovem congolês a missão linda e altruísta que sabia que ele havia sido criado para realizar.

“Minha principal motivação para continuar este trabalho é participar do desenvolvimento da filosofia Ubuntu (Eu sou porque nós somos). Sabendo que é importante para a nossa comunidade”, explica ele, que acrescenta, “porque todos nós precisamos do Ubuntu. Podemos ser educados, mas se não temos o Ubuntu não somos seres humanos”, finaliza.

Aqui, deixamos registrado como Fraternidade sem Fronteiras e como seres humanos, nossa gratidão ao Maick e a todos que se permitem amar de todo o coração.

Obrigada!

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO