Blog

Ajude-nos a divulgar. Compartilhe esta história!

Rate This:

[Total: 37    Média: 3.9/5]

A Conexão de Corações no III Encontro FSF

| | Blog

Com nove anos de história e uma corrente feita por milhares de corações, a Fraternidade sem Fronteiras (FSF) realizou nos dias 12, 13 e 14 de abril de 2019 o III Encontro Fraternidade sem Fronteiras, no estádio Mineirão em Belo Horizonte/ MG. O evento contou com a participação de divulgadores da causa, padrinhos, voluntários, amigos e palestrantes que fizeram transbordar toda a essência dessa causa de fraternidade. Foi lindo de ver e sentir!

A ONG hoje trabalha com 10 projetos espalhados pela África e pelo Brasil. Todos eles foram protagonistas durante o III Encontro que veio despertar mais ainda o sentimento de amor e fraternidade nos corações de quem é envolvido com a causa e até de quem participou pela primeira vez. Acolher Moçambique; Ação Madagascar; Microcefalia, ciência e amor; Retratos de Esperança; Jardim das Borboletas; Nação Ubuntu; Fraternidade na Rua; Brasil, um coração que acolhe; Chamin du Futur e Orquestra Filarmônica Jovem Emmanuel foram representados e puderam mostrar um pouquinho de cada trabalho realizado.

Um deles é o do Jardim das Borboletas, uma ONG que cuida de pessoas que sofrem com uma doença de pele rara chamada Epidermólise Bolhosa (EB). A doença é uma deficiência no tecido conjuntivo da pele. “A criança não produz colágeno e não aceita reposição, a medula vem com essa deficiência no gene. Então, a EB é uma doença que deixa a pele solta”, explica Aline Teixeira da Silva, criadora da ONG, que continua, “além da pele ser sensível por fora, as pessoas que sofrem com EB tem machucados por dentro fazendo com que todo o aparelho digestivo seja deficiente”. A jornada de Aline recebeu o abraço da FSF em 2018 e este ano o projeto foi aberto para o apadrinhamento. Durante o III Encontro foi possível sentir quase de forma palpável a conexão de todos com a causa do Jardim das Borboletas, que leva esse nome pela comparação da pele sensível dos portadores de EB com a sensibilidade de uma borboleta.

O projeto da baiana Aline, guarda para si o título de um dos momentos mais marcantes do encontro. De uma forma inesperada e não programada, a borboletinha Alice Ribeiro de 10 anos, subiu ao palco e arrancou lágrimas de todos ao falar sobre o bullying. A emoção tomou conta do ambiente depois do desabafo da menina que deu aula de amor e empatia. “Muitas pessoas praticam bullying contra as crianças que sofrem com Epidermólise Bolhosa. Eu mesma já sofri com isso e é muito triste porque as pessoas apontam, olham, falam e cochicham. Eu quero fazer um apelo para as pessoas que fazem o bullying: não pratiquem porque isso machuca o coração e mexe com o psicológico da gente”, falou Alice, que continuou, “se fosse com você, você iria gostar? Não faça com o outro o que você não queria que fizessem com você”, finalizou ela em meio a aplausos e lágrimas.

“Me falaram que tinha uma criança que queria palestrar comigo e falar sobre o bullying e quando a Alice falou no palco diante de todas aquelas pessoas, foi incrível. Um dos momentos mais marcantes”, destaca Wagner Moura, presidente da FSF. Ainda este ano, um polo da Fraternidade sem Fronteiras será construído em Belo Horizonte/ MG para também atender crianças portadoras de Epidermólise Bolhosa.

Outro abraço da Fraternidade sem Fronteiras em 2018 que ganhou apadrinhamento este ano e tocou muito corações durante o III Encontro foi o projeto no Sertão da Bahia do fotógrafo Bismark Araújo, Retratos de Esperança. O baiano conta que cresceu vendo a miséria do seu povo e assim, decidiu fazer algo. Começou a fotografar e a divulgar a realidade local nas redes sociais. “O Retratos de Esperança nasceu dentro do meu coração em 2008. Eu descobri, na época com 16 anos, que eu poderia usar o Orkut para divulgar as fotos da minha realidade de extrema pobreza com outras pessoas que poderiam ajudar”, conta ele.

Foi através dessa ideia que o agora fotógrafo entrou para o universo da fotografia. Em 2010, conseguiu comprar uma máquina, tirou uma foto de um andarilho e ganhou um concurso. No ano de 2012 viu sua carreira alavancar, mas foi somente em 2015, depois de um mochilão pelo Brasil, que voltou a sua terra natal e reaprendeu a olhar a miséria de seu povo. “Eu já estava em um patamar de fotografia mais elevado e com isso eu percebi que poderia usar a fotografia como transformação de vida. Comecei a fotografar a realidade e o projeto foi acontecendo”, conta ele. Segundo Bismark, de 2015 a 2018 o Retratos de Esperança estava atendendo cerca de 2 mil pessoas em oito cidades da Bahia e depois do abraço da Fraternidade, o projeto atende agora mais de 3.800 pessoas espalhadas em 12 cidades do estado.

Hoje, o Retratos já conta com caravanas de voluntários para as regiões atendidas e com a ajuda de apoiadores que se sentiram muito conectados com a causa. Uma vila de casas, chamada Vila da Esperança será construída em Canudos e abrigará cerca de 400 pessoas. O lugar terá também um Centro de Acolhimento, um centro médico e um centro educacional. “A Fraternidade nos deu essa possibilidade de chegarmos a mais corações e a mais vidas. Somos muito gratos”, desabafa ele.

No III Encontro Fraternidade sem Fronteiras os participantes puderam conhecer a história e entender a essência desse sonho de transformar a realidade de muitas pessoas no sertão da Bahia.  

  

Já o projeto Nação Ubuntu, a mais recente iniciativa da FSF, arrebatou o coração de todos os presentes ao abordar a dura realidade de ser um refugiado morando dentro de um Campo de Refugiados. A gratidão evidente nos olhos dos quatro líderes Ubuntus, refugiados de guerra e que hoje trabalham em prol de seus irmãos, deixou a todas um legado de amor, perdão e recomeço. Maick Mutej, Felly Zihal, Prince Kalolo e Frank Donald foram protagonistas de momentos de pura fraternidade. “É como se nós estivéssemos trancados e a Fraternidade sem Fronteiras chegou com as chaves para abrir as portas”, falam eles, que continuam, “nós sentimos como se fossemos pássaros agora. Podemos fazer muito pelos refugiados em Dzaleka com a ajuda da FSF”. 

Tendo um dos stands mais visitados pelos participantes,o Nação Ubuntu trouxe para o III Encontro a materialização da filosofia que dá nome ao projeto “Eu sou porque nós somos” (Ubuntu). O sentimento de unidade e esperança pairavam por todo o Mineirão. A conexão de corações através de histórias de fraternidade e por um bem comum, moveu todos na mesma direção: a de continuar construindo um amanhã melhor e repleto de beleza.

“O III Encontro FSF atingiu o seu objetivo, que era fortalecer os laços de fraternidade entre todos nós. Nós pudemos perceber que as pessoas se sentiram tocadas a continuarem a trabalhar e a fazer a diferença”, analisa Wagner.

Momentos marcantes ficaram gravados no coração de todos os presentes. O encontro do presidente Wagner Moura com Suzana Cambambi, uma mãe angolana que recebeu ajuda da Fraternidade sem Fronteiras para trazer sua filha ao Brasil para se tratar no IPESQ, projeto da Dra. Adriana Mello,  foi um deles. Em lágrima, Suzana agradeceu e abraçou Wagner, levando emoção a todos que presenciaram o momento. “Sou profundamente agradecida por essa ajuda”, dizia ela. “A FSF é muito intuição, é muito coração. Então muitas vezes vêm situações fora do planejamento que precisamos estar atentos para percebermos a espiritualidade ali presente”, declara Wagner.

Alice, Aline, Bismark, Maick, Felly, Prince, Frank, Wagner… são um dos muitos rostos que deram nome e voz a esse movimento de fraternidade durante o III Encontro FSF. O que fica é a certeza de que o movimento continua a crescer porque muitos outros rostos e vozes não citadas aqui fazem parte dessa corrente colocando todo o seu coração na causa.

Para o próximo que acontecerá em Campinas/ SP nos dias 17, 18 e 19 de abril, o presidente afirma que será o momento de colocar a “mão na massa”. “Já que estamos fortes na nossa base que é o sentimento de fraternidade, com os corações conectados, vamos agora mais firme para o trabalho. No IV Encontro iremos estipular metas sociais. Iremos apresentar uma necessidade de ajuda humanitária específica para que durante o evento possamos atingir essa meta”, conta ele. 

  

Que venha o IV Encontro!!

*Lembrando que para assistir a todos os momentos do III Encontro Fraternidade sem Fronteiras é só acessar o Youtube da FSF.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO