You don't have javascript enabled. Please, enable the javascript or try another browser.

Roraima pede Socorro

 

 

Em ajuda às famílias venezuelanas, FSF lança campanha Brasil, um coração que acolhe. 

Famílias se abrigam como podem. Cozinham ao ar livre, ocupam a rodoviária, praças, canteiros. Pelo semáforo, usam placas escritas à mão, com o pedido de emprego.  Só com a roupa do corpo, deixam a Venezuela e caminham até cinco dias para atravessar a fronteira com o Brasil, em busca de comida e chance de vida. Na bagagem, o peso é o da luta pela sobrevivência. Nas ruas de Pacaraima – a primeira cidade no caminho dos imigrantes – e na capital, Boa Vista, vê-se homens, mulheres e crianças necessitados de tudo.

Incentivado por apoiadores, padrinhos e divulgadores da causa, que sugeriram o acolhimento aos irmãos venezuelanos, o fundador e presidente da Fraternidade sem Fronteiras, Wagner Moura, visitou Roraima no início do mês de outubro e viu de perto a realidade noticiada.

“Voltando de Pacaraima à Boa Vista, encontrei dois jovens caminhando com mochila nas costas. Dei carona e viemos conversando. O dinheiro deles tinha acabado ainda dentro da Venezuela e eles chegaram ali através de caronas. Compraram um pão bengala e essa era a única refeição. Eles iriam caminhar, ao todo, cinco dias. Não sei como, sem comer”, conta Wagner.

Os dois jovens trabalhavam na colheita de tangerinas e limões, na Venezuela. Isso dava a eles o equivalente a R$ 1,00 por dia. “O quilo da fruta custava R$ 4,00, ou  seja, eles precisariam trabalhar quatro dias para conseguir comprar”, compara Wagner.

Um dos rapazes tem a esperança de conseguir emprego e dinheiro para sustentar a família que ficou. “Ele me disse ter um casal de filhos, uma sendo bebê de 3 meses, e que estava vindo para alimentar a família que deixou. Dizia ‘estou aqui em busca de algo, de esperança’”, relata Wagner.

É desafiador, mas possível.  Instituições trabalham como podem. “Visitamos abrigos que estão bem no início do trabalho. O que estão acolhendo é insuficiente, além de não conseguir acolher como querem. E as notícias são de que quase 400 venezuelanos cruzam a fronteira por dia”, detalha Wagner. Quem tem dinheiro vai para outras regiões, quem não tem fica na primeira parada, a cidade de Pacaraima.

A Fraternidade sem Fronteiras lança a campanha Brasil, um coração que acolhe e dá início a uma mobilização fraterna para construir um centro de acolhimento FSF, com dormitório, cozinha, refeitório e banheiros. Também idealiza alugar casas para instalar as famílias e, inicialmente, dar alimentação e custear as despesas básicas. 

Voluntários vão visitar famílias nas casas e serão a ponte para a retirada de carteira de trabalho, matrícula na escola, atendimento médico e outras necessidades. Com emprego certo, as famílias passam a custear as primeiras contas como água e luz, até chegar ao aluguel, tornando-se independentes e fazendo frente, eles próprios, de todos os gastos da família. Assim, à medida que já puderem se sustentar, outros venezuelanos poderão ser acolhidos.

A Fraternidade sem Fronteiras também vai ajudar instituições que já se esforçam, com dificuldades, para amparar os Venezuelanos.  Apoiará, por exemplo, os trabalhos de assistência iniciados pelo Padre Jesus, em Pacaraima, e o da Irmã Clara, que por meio de outra ONG, chamada Fraternidade Internacional oferece, com muita dificuldade e de forma bastante improvisada,  assistência a 600 famílias, abrigadas em ginásio municipal. A integração dos trabalhos permitirá o atendimento às famílias indígenas e não indígenas.

 

 

Crise humanitária - Os venezuelanos sofrem a mais grave crise política, econômica e humanitária do País já viu. A falta de emprego e oportunidade de renda levou 52 mil cidadãos a pedir refúgio em outros países, segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Pela proximidade fronteiriça, o Brasil concentra o segundo maior número de solicitações. A inflação desabastece mercados e impede que os moradores consigam comprar alimento. Há quem tenha terra, mas não consiga sequer sementes para plantar. Para uma população que não tem acesso à comida, remédios e saúde, se alimentar todos os dias virou privilégio.

A falta de emprego e oportunidade de renda levou 52 mil cidadãos a pedir refúgio em outros países, segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Pela proximidade fronteiriça, o Brasil concentra o segundo maior número de solicitações. A Polícia Federal registra que 30 mil venezuelanos cruzaram a fronteira para o Brasil, entrando por Roraima, de 2016 até agora.

Perfil dos imigrantes – Segundo dados da Polícia Federal, mais de 58% dos imigrantes são do sexo masculino e jovens entre 22 e 25 anos. A maioria dos estrangeiros que chegam a Roraima são estudantes (17,93%), seguidos por engenheiros (6,21%), médicos (4,83%) e economistas (7,83%). No primeiro semestre de 2017, o Ministério do Trabalho no estado de Roraima entregou quase 3 mil carteiras a cidadãos venezuelanos.

 

Fotos: Divulgação/Internet

 

 

Português, Brasil

Comentar

CAPTCHA
Esta pergunta é pra confirmar que você é um ser humano e não um robó enviando spam automático.