NOTÍCIAS

Aqui você acompanha notícias com
as novidades dos projetos, os acontecimentos mais recentes e
as iniciativas em prol dessa causa de amor. ❤

“Apadrinhar é como acolher um filho que é parte da humanidade que existe dentro de nós”

A madrinha Laís Soares  nos emociona ao dizer do sentimento de fazer parte neste mar de amor da Fraternidade sem Fronteiras

Por Karla Silva – estagiária em comunicação da FSF

Em mais uma live que apresenta os padrinhos e madrinhas da Fraternidade sem Fronteiras, conhecemos Laís Soares, professora de educação infantil para crianças com necessidades especiais na Flórida – EUA, e voluntária como professora de inglês para os acolhidos e colaboradores da FSF. Com simpatia e alegria, compartilhou com todos como conheceu a Organização e decidiu apadrinhar três projetos. 

Laís chegou até a Fraternidade sem Fronteiras por meio de uma palestra do diretor de relações públicas da FSF, Andrei Moreira. “Foi em maio de 2019 meu primeiro conhecimento sobre a Fraternidade sem Fronteiras e me deu uma vontade muito grande de participar desse movimento.  Esse movimento de amor, de fraternidade universal que é uma coisa que me toca profundamente, quando você ajuda o próximo independentemente de religião, isso me toca muito. Desde pequena uma coisa que sempre me emocionava era quando minha mãe falava que não importava a religião, o que importa é a humanidade de cada um. O fato de você ver uma Organização humanitária que traz auxílio, acolhimento para pessoas de todos os lugares do mundo, é uma coisa fabulosa, é como se fosse encontrar um sonho”, emociona-se.

Após conhecer a FSF, Laís veio de férias para o Brasil e na oportunidade buscou saber mais sobre os projetos e seu coração decidiu apadrinhar o Projeto Nação Ubuntu, no Malawi – África. “Me tocou muito a filosofia: Eu sou porque nós somos”.

Durante seu relato, por várias vezes, Laís nos relembra o que é fraternidade: união entre irmãos. Estamos todos conectados sem nos conhecermos e, como estão interligados, nos sentimos parte de cada projeto, de cada história e vidas transformadas. Um exemplo trazido por nossa madrinha foi a palestra que assistiu, em Brasília (DF), com o fundador-presidente da FSF, Wagner Moura Gomes, a coordenadora do projeto Nação Ubuntu, Clarissa Paz, e a médica e coordenadora do Projeto Microcefalia, Amor sem Dimensões, Adriana Melo. “Eu chorei o tempo todo. Eu não sei o que era. Não era tristeza, não era dó, não era piedade, era emoção de participar. De me sentir parte, como se eu já fosse madrinha há muito tempo e eu era madrinha há uma semana. Eu me sentia uma gotinha nesse mar de amor que é a Fraternidade sem Fronteiras”, alegra-se.

Para Laís, toda a palestra foi emocionante, mas ao ouvir de Clarissa as histórias sobre o projeto Nação Ubuntu, o coração começou a pedir para ir para lá também e vivenciar tudo aquilo de pertinho, “A Clarissa falando como as crianças vivem a filosofia Ubuntu no dia a dia, eu sou porque nós somos, e eu não sou feliz se você não é feliz também, isso me tocou demais e falei: gente eu quero ir lá também”.

Com o passar do tempo e conhecendo mais o trabalho da Organização, Laís decidiu apadrinhar mais dois projetos: Fraternidade na Rua – no Brasil e Chemin Du Futur – no Senegal – África. Nesse projeto, Laís, além de madrinha, é também voluntária dando aulas de inglês para os acolhidos no orfanato.

“Essa é outra história que marca a minha vida. Em junho do ano passado, durante o encontro online da FSF, eu vi jovens em Moçambique numa sala com computadores tendo aula e eu pensei: Isso aí eu posso fazer. Eu posso dar aula online”.

Laís buscou informações junto a Organização sobre como poderia contribuir com seu conhecimento e com o apoio de outra voluntária, a Fernanda Moreira, conversas com o coordenador do projeto Chemin Du Futur, Edimilson Neto, e participação de outros professores voluntários, em junho de 2020, eles iniciaram as aulas de inglês para os acolhidos no Senegal.

“Fizemos uma reunião com todos os alunos e foi incrível. Aqueles meninos ficaram conosco online por mais de três horas! Dividimos as turmas, depois as turmas aumentaram, tivemos mais professores voluntários e então, o grupo só está aumentando e é uma alegria enorme participar. É como se eu tivesse ido para uma caravana. Tem hora que me dá vontade de pular da telinha para ficar lá com eles”. A alegria com que Laís conta sua experiência no projeto é contagiante.

O relato de nossa madrinha sobre sua participação na FSF demonstra os caminhos que é possível percorrer para dar as mãos aos nossos irmãos. O apadrinhamento com a contribuição mensal de R$ 50 assegura a continuidade do trabalho de acolhimento dos 10 projetos da Organização. Cada pessoa carrega uma experiência, conhecimento e energia para compartilhar e somar na vida de outros. E, tornar-se padrinho ou voluntário é atender um chamado do coração com humanidade e generosidade! 

“Eu aprendi com a FSF que o bem é muito quieto. O mal é muito estridente. A gente liga a televisão e tem pessoas que estão acostumadas a consumir só o que a mídia oferece, sem buscar mais, sem pesquisar mais e olha que nós estamos num mundo globalizado. Nós temos a liberdade para procurarmos o que quisermos. A FSF colabora para que as notícias do bem possam ser espalhadas pelo mundo, para que a gente possa ver que o bem também acontece e que eu também tenho o poder de espalhar o bem”, ressalta.

Além do apadrinhamento, nos Estados Unidos, Laís participa, pelas redes sociais, de um grupo para arrecadar doações para a compra de curativos enviados ao Brasil para o projeto Jardim das Borboletas, em Caculé (BA), que acolhe crianças diagnosticadas com uma doença rara, Epidermólise Bolhosa. 

Para Laís apadrinhar um projeto é um misto de sentimentos e sensações. “Como madrinha me sinto como uma gotinha que ajuda a apagar os focos de maldade que existem no mundo. É como se você estivesse acolhendo um filho que é parte da humanidade que existe dentro de nós. Eu acredito que todos nós nascemos com essa vontade e necessidade de ajudar o outro, quando a gente pode fazer isso e assume esse compromisso é tão gostoso”, resume.

Seja por meio do apadrinhamento ou voluntariado, Laís acredita que esse comprometimento fraterno faz parte da vida dela. É amor ao próximo e não importa onde ele esteja, nem a ocasião em que esteja precisando de ajuda. Quando for preciso exercer a caridade ela quer doar de si com amor e entusiasmo, “Nós podemos sempre fazer algo pra alguém, esse algo que a gente faz pra alguém retorna pra gente imediatamente, vem aquela energia, aquela coisa boa que nos envolve de muita luz, de muita alegria”, finaliza.

A série de lives, transmitida, ao vivo, pelo Instagram da FSF, às quartas-feiras, da campanha “Apadrinhar é amar!”, começou dia 07 de julho com o objetivo de reforçar e valorizar o apadrinhamento. Com elas, há a oportunidade de conhecer as histórias de padrinhos e madrinhas que mantêm os projetos da Organização.

Para assistir na íntegra, clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias